sexta-feira, 24 de abril de 2015

••• [Poemas sem título ou a breve mão que sangra desinteressada pela noite que a vinha fechar]

Nuvem de gás Gum 29 (Hubble 25 anos)

a mão que te embala é a mesma que te acaricia
o seio
que te masturba depois

e enquanto se encurva o ar pelos promontórios abruptos por perto
removem-se uma por uma as pétalas desfeitas
em corpos que suam desamarrados a estibordo como se me importasse
o sangramento que a língua quer interromper.

Sangro-me arrefecendo as águas mais a sul
ígneas

arrancadas as linhas horizonte do nevoeiro imaginado
mais intenso e inenarrável. Ambos sabemos que o sol não nasce

numa casa fechada desabitada sem janelas
nem por um milagre rosáceo
e
se os dias demoram a chegar o fogo inicial arrefece repentino
vergado pelas nortadas desfolhadas. Alguns homens morrem

pelo cantar da anêmona errante e lúcida
sem habitarem o terraço que construíram abrigo das chuvas e do sol
a pino. Apenas um grito extremo que se repete como o areal inundado

tudo recomeça.

Mergulho-me em ti pelas veias abertas
recebes-me sossegando esta minha ânsia despojada
ilimitada
enquanto semicerras os olhos desintegrando-me nesse teu manto
azul de água. Assim


tudo recomeça.


(Ricardo Pocinho - O Transversal)


8 comentários:

  1. Simplismente fantástico a arte de amar........adorei tua sensibilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. só posso agradecer a tua leitura, se os dias demoram a chegar o fogo inicial arrefece repentino
      vergado pelas nortadas desfolhadas, e tudo se repete. Muito obrigado

      Eliminar
  2. É TUDO LINDO E PERFEITO, COMO O SOL, COMO A LUZ, PARABÉNS E BOÉS DE OBRIGADA POR ESCREVER ASSIM...

    ResponderEliminar
  3. Bela sensibilidade
    Sem palavras....
    um abraço Ricardo

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. talvez eu nem consiga escrever assim nunca ...talvez eu não passe de um poeta adiando a realidade e a paisagem realmente visível não seja eu ou a de mim próprio mas de uma alucinação como de uma ultima esperança que se foi essa de ser poeta em fim ...

    ResponderEliminar